O valerato de betametasona creme é indicado para o tratamento de lesões inflamatórias da pele.

 

VALERATO DE BETAMETASONA É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE UM MÉDICO OU UM FARMACÊUTICO. LEIA A BULA.

MEDICAMENTOS PODEM CAUSAR EFEITOS INDESEJADOS. EVITE A AUTOMEDICAÇÃO: INFORME-SE COM O FARMACÊUTICO.

VALERATO DE BETAMETASONA CREME 1mg/g - Medley

R$ 13,00Preço
  • VALERATO DE BETAMETASONA

    Valerato de Betametasona, para o que é indicado e para o que serve?

    Pomada / Creme / Loção

    Valerato de Betametasona é indicado para o tratamento das seguintes condições: eczemas, inclusive atópico infantil e discoide; psoríase, exceto psoríase em placa disseminada; neurodermatoses, incluindo líquen simples e líquen plano; dermatite seborreica e dermatites de contato; lúpus eritematoso discoide e como adjuvante ao tratamento esteroide sistêmico de dermatite esfoliativa. O efeito anti-inflamatório do Valerato de Betametasona é igualmente útil para o controle de picadas de inseto e miliária rubra.

    Solução tópica

    Valerato de Betametasona capilar é indicado para o tratamento das dermatoses do couro cabeludo sensíveis à corticoterapia, tais como psoríase, dermatite seborreica e dermatites associadas à intensa descamação.

    Quais as contraindicações do Valerato de Betametasona?

    Pomada / Creme / Loção

    Valerato de Betametasona é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula, para o tratamento de infecções cutâneas não tratadas, rosácea, acne vulgar, prurido sem inflamação, prurido perianal e genital, dermatite perioral e dermatoses em crianças com menos de 1 ano de idade, inclusive dermatite.

    Este medicamento é contraindicado para menores de 1 ano de idade.

    Solução tópica

    Valerato de Betametasona capilar é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula, ao tratamento de infecções do couro cabeludo e para o tratamento de dermatoses em crianças com menos de 1 ano de idade, incluindo dermatites.

    Este medicamento é contraindicado para menores de 1 ano de idade.

    Como usar o Valerato de Betametasona?

    Pomada

    Valerato de Betametasona pomada é adequado para lesões secas, escamosas ou liquenificadas.

    Aplicar uma fina camada e espalhar suavemente utilizando uma quantidade suficiente apenas para cobrir toda a área afetada.

    Creme

    Valerato de Betametasona creme é mais adequado para superfícies úmidas ou exsudativas.

    Aplicar uma fina camada e espalhar suavemente utilizando uma quantidade suficiente apenas para cobrir toda a área afetada.

    Loção

    Valerato de Betametasona loção é particularmente apropriado para o tratamento de áreas pilosas ou quando uma aplicação mínima em uma área extensa é exigida.

    Aplicar uma fina camada e espalhar suavemente utilizando uma quantidade suficiente apenas para cobrir toda a área afetada.

    Devido a natureza inflamável do Valerato de Betametasona loção, os pacientes devem evitar fumar ou ficar próximo a uma chama aberta durante aplicação e imediatamente após o uso.

    Solução tópica

    Aplicar uma pequena quantidade da solução capilar na área afetada.

    Devido a natureza inflamável do Valerato de Betametasona capilar, os pacientes devem evitar fumar ou ficar próximo a uma chama aberta durante aplicação e imediatamente após o uso.

    Posologia do Valerato de Betametasona

    Pomada / Creme / Loção

    Adultos, Idosos e Crianças a partir de 1 ano de idade

    Aplicar uma ou duas vezes ao dia por no máximo 4 semanas e durante este período reduzir a frequência de aplicação ou mudar para um tratamento com uma preparação menos potente, conforme a resposta do paciente ao tratamento. Dê tempo suficiente para a absorção após cada aplicação antes de passar um emoliente.

    Nas lesões mais resistentes, como no caso de placas espessas de psoríase nos cotovelos e joelhos, o efeito de Valerato de Betametasona pode ser intensificado, se necessário, pelo tratamento oclusivo da área com filme de polietileno. A oclusão à noite é geralmente adequada para obtenção de uma resposta satisfatória em tais lesões. Depois disso, a melhora pode ser mantida pela aplicação regular sem oclusão.

    Se piorar ou não houver uma melhora dentro de 2 a 4 semanas o tratamento e o diagnóstico devem ser reavaliados.

    O tratamento com Valerato de Betametasona deve ser descontinuado gradualmente uma vez que o controle é estabelecido e um tratamento com um emoliente deve ser mantido.

    Pode ocorrer a recidiva de uma dermatose pré-existente se o tratamento for descontinuado abruptamente.

    Pacientes com recidivas frequentes:

    Uma vez que um episódio agudo foi tratado de forma eficaz com uso contínuo de Valerato de Betametasona, um tratamento intermitente (uma vez por dia, duas vezes por semana, sem oclusão) pode ser considerado. Isto demonstrou ser útil na redução da frequência de recidivas.

    A aplicação deve ser continuada em todos os locais anteriormente afetados ou em locais conhecidos de potencial recidiva. Este regime deve ser combinado com o uso frequente de emolientes.

    As condições, os benefícios e os riscos do tratamento continuado devem ser reavaliados.

    Crianças

    Valerato de Betametasona é contraindicado a crianças menores de 1 ano de idade.

    Crianças são mais suscetíveis a desenvolver efeitos colaterais locais e sistêmicos a corticosteroides tópicos e, em geral, requerem períodos menores de tratamento e agentes menos potentes que em adultos, portanto o período de tratamento deve ser limitado à 5 dias e a oclusão não deve ser utilizada.

    Cuidados devem ser tomados quando Valerato de Betametasona for utilizado em crianças para assegurar que a quantidade aplicada é a mínima necessária para produzir benefício terapêutico.

    Idosos

    Estudos clínicos não identificaram diferenças nas respostas entre os pacientes idosos e pacientes mais jovens. A maior frequência de diminuição da função hepática ou renal no idoso pode atrasar a eliminação se houver absorção sistêmica. Por isso, uma quantidade mínima durante o menor tempo possível de tratamento deverá ser usado para alcançar o benefício clínico desejado.

    Insuficiência renal e hepática

    Em caso de absorção sistêmica (quando uma quantidade for aplicada em uma área muito extensa por um período prolongado), o metabolismo e a eliminação podem ser retardados, por conseguinte, aumentando o risco de toxicidade sistêmica. Portanto, uma quantidade mínima deverá ser usada durante o menor tempo possível de tratamento para alcançar o benefício clínico desejado.

    Solução tópica

    Adultos, Idosos e Crianças a partir de 1 ano de idade

    O Valerato de Betametasona capilar deve ser aplicado em pequenas quantidades, pela manhã e à noite, até que se observe melhora por uma período máximo de 4 semanas. O tratamento de manutenção pode ser efetuado com uma só aplicação diária, ou com menor frequência.

    O tratamento com Valerato de Betametasona capilar deve ser descontinuado gradualmente uma vez que o controle é estabelecido e um tratamento com um emoliente deve ser mantido.

    Pode ocorrer a recidiva de uma dermatose pré-existente se o tratamento for descontinuado abruptamente.

    Crianças

    Valerato de Betametasona capilar é contraindicado a crianças menores de 1 ano de idade.

    Crianças são mais suscetíveis a desenvolver efeitos colaterais locais e sistêmicos a corticosteroides tópicos e, em geral, requerem períodos menores de tratamento e agentes menos potentes que em adultos, portanto o período de tratamento deve ser limitado à 5 dias e a oclusão não deve ser utilizada.

    Cuidados devem ser tomados quando Valerato de Betametasona capilar for utilizado em crianças para assegurar que a quantidade aplicada é a mínima necessária para produzir benefício terapêutico.

    Idosos

    Estudos clínicos não identificaram diferenças nas respostas entre os pacientes idosos e pacientes mais jovens. A maior frequência de diminuição da função hepática ou renal no idoso pode atrasar a eliminação se houver absorção sistêmica. Por isso, uma quantidade mínima durante o menor tempo possível de tratamento deverá ser usado para alcançar o benefício clínico desejado.

    Insuficiência renal e hepática

    Em caso de absorção sistêmica (quando uma quantidade for aplicada em uma área muito extensa por um período prolongado), o metabolismo e a eliminação podem ser retardados, por conseguinte, aumentando o risco de toxicidade sistêmica. Portanto, uma quantidade mínima deverá ser usada durante o menor tempo possível de tratamento para alcançar o benefício clínico desejado.

    Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Valerato de Betametasona?

    Pomada / Creme

    As reações adversas estão listadas abaixo por frequência.

    As frequências são definidas como:

    • Reação muito comum (> 1/10). 
    • Reação comum (> 1/100 e < 1/10). 
    • Reação incomum (> 1/1.000 e < 1/100). 
    • Reação rara (> 1/10.000 e < 1/1.000). 
    • Reação muito rara (< 1/10.000).

    Dados pós-comercialização

    Reações comuns (> 1/100 e < 1/10)

    Prurido, dor/ ardor na pele.

    Reações muito raras (< 1/10.000)

    • Infecções oportunistas. 
    • Hipersensibilidade local. 
    • Supressão no eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA): Características da Síndrome de Cushing (por exemplo: cara de lua, obesidade central), ganho de peso, atraso/retardo de crescimento em crianças, osteoporose, glaucoma, hiperglicemia/glicosúria, catarata, hipertensão, aumento de peso/obesidade, diminuição dos níveis de cortisol endógeno, alopecia e tricorrexe.
    • Dermatite alérgica de contato/ dermatite, eritema, erupção cutânea, urticária, psoríase pustulosa, atrofia da pele*, enrugamento da pele*, ressecamento da pele*, estrias*, telangiectasias*, alterações da pigmentação*, hipertricose, exacerbação dos sintomas subjacentes.
    • Irritação ou dor no local da aplicação.

    *Características cutâneas secundárias aos efeitos locais e/ou sistêmicos de supressão no eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA).

    Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em portal.anvisa.gov.br/notivisa, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

    Loção / Solução tópica

    As reações adversas estão listadas abaixo por frequência.

    As frequências são definidas como:

    • Reação muito comum (> 1/10).
    • Reação comum (> 1/100 e < 1/10).
    • Reação incomum (> 1/1.000 e < 1/100).
    • Reação rara (> 1/10.000 e < 1/1.000).
    • Reação muito rara (< 1/10.000).

    Dados pós-comercialização

    Reação comum (> 1/100 e < 1/10)

    • Prurido, dor e ardor local na pele.

    Reações muito raras (<1/10.000)

    • Infecções oportunistas.
    • Hipersensibilidade local.
    • Supressão do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA): Características da Síndrome de Cushing (ex.face de lua e obesidade central), atraso no ganho de peso/retardo do crescimento em crianças, osteoporose, glaucoma, hiperglicemia/glicosúria, catarata, hipertensão, aumento de peso/obesidade, diminuição dos níveis de cortisol endógeno, alopecia e tricorrexe.
    • Dermatite de contato alérgica/dermatites, eritema, rash , urticária , psoríase pustulosa, atrofia da pele*, enrugamento na pele*, ressecamento da pele*, estrias*, telangiectasias*, alterações da pigmentação da pele*, hipertricose, exacerbação dos sintomas subjacentes.
    • Irritação e/ou dor no local da aplicação.

    *Características cutâneas secundárias aos efeitos locais e/ou sistêmicos da supressão do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA).

    Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em portal.anvisa.gov.br/notivisa, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

    Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Valerato de Betametasona maior do que a recomendada?

    Sintomas e sinais

    Valerato de betametasona aplicado topicamente pode ser absorvido em quantidade suficiente para produzir efeitos sistêmicos. A superdosagem aguda é muito improvável de ocorrer,entretanto, no caso de superdosagem crônica ou uso indevido, o hipercortisolismo pode ocorrer.

    Tratamento

    Em caso de superdose, Valerato de Betametasona deve ser retirado gradualmente pela redução da frequência de aplicações ou pela substituição por um corticosteroide menos potente, devido ao risco de insuficiência glicocorticoide.

    Cuidados adicionais devem ser clinicamente indicados, se necessário.

    Em caso de intoxicação, ligue para 0800 722 6001 se você precisar de mais orientações.

    Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Valerato de Betametasona com outros remédios?

    A coadministração de medicamentos que podem inibir o citocromo CYP3A4 (Ex. ritonavir, itraconazol) demonstrou capacidade de inibir o metabolismo dos corticosteroides levando ao aumento da exposição sistêmica. A relevância clínica desta coadministração depende da dose e da via de administração dos corticosteroides e da potência do inibidor do citocromo CYP3A4.

    Quais cuidados devo ter ao usar o Valerato de Betametasona?

    Pomada / Creme

    Valerato de Betametasona deve ser usado com precaução em pacientes com história de hipersensibilidade local a corticosteroides ou a qualquer um dos excipientes da fórmula.

    Reações de hipersensibilidade local podem assemelhar-se aos sintomas da doença em tratamento.

    Manifestações de hipercortisolismo (Síndrome de Cushing) e supressão reversível no eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA), levando à insuficiência glicocorticosteroide, podem ocorrer em alguns indivíduos, como resultado do aumento da absorção sistêmica de esteroides tópicos.

    Se qualquer uma das manifestações acima for observada, interrompa o uso da droga gradualmente, reduzindo a frequência de aplicação, ou substituindo por um corticosteroide menos potente. A interrupção abrupta do tratamento pode resultar em insuficiência glicocorticosteroide.

    Fatores de risco para aumento dos efeitos sistêmicos são:

    • Potência e formulação de esteroide tópico;
    • Duração da exposição;
    • Aplicação em uma área de grande extensão;
    • Uso em áreas oclusivas da pele, por exemplo, em áreas intertriginosas ou sob curativos oclusivos (em recém-nascidos, a fralda pode atuar como um curativo oclusivo);
    • Aumento da hidratação do estrato córneo;
    • Uso em áreas de pele fina como a face;
    • Uso sobre a pele lesada ou outras condições onde a barreira da pele pode estar comprometida;
    • Em comparação com adultos, crianças podem absorver proporcionalmente maiores quantidades de corticosteroides tópicos e assim serem mais suscetíveis aos efeitos adversos sistêmicos. Isso ocorre porque as crianças têm uma barreira da pele imatura e uma maior área de superfície em relação ao peso corporal em comparação com adultos.

    Distúrbios visuais

    Distúrbio visual foi reportado por pacientes usando corticosteroides sistêmico e/ou tópico. Se um paciente apresentar visão embaçada ou outras alterações visuais, considere a avaliação de possíveis causas, as quais podem incluir catarata, glaucoma ou corioretinopatia central serosa.

    Crianças

    Em lactentes e crianças menores de 12 anos de idade, a duração do tratamento deve ser limitada à 5 dias e a oclusão não deve ser utilizada; o tratamento prolongado com corticosteroide tópico deve ser evitado quando possível, já que uma supressão adrenal pode ocorrer.

    Risco de infecção com oclusão

    Infecções bacterianas são facilitadas pelo calor e umidade em dobras da pele ou causadas por curativos oclusivos. Ao usar curativos oclusivos, a pele deve ser limpa antes de aplicar um novo curativo.

    Uso no tratamento da Psoríase

    Os corticosteroides tópicos devem ser usados com cautela no tratamento da psoríase, pois foram reportados alguns casos de recidivas rebotes, desenvolvimento de tolerância, risco de psoríase pustulosa generalizada e desenvolvimento de toxicidade local ou sistêmica devido à deficiência na função de barreira da pele. Se usado na psoríase, recomenda-se supervisão cuidadosa do paciente.

    Aplicação na face

    Aplicações prolongadas na face não são desejáveis, visto que é uma área mais suscetível a alterações atróficas.

    Aplicação nas pálpebras

    Se aplicado nas pálpebras deve-se ter cuidado para que o produto não entre em contato com os olhos, pois a exposição repetida poderá resultar em catarata e glaucoma.

    Infecção concomitante

    Terapia antimicrobiana apropriada deve ser utilizada sempre que o tratamento das lesões inflamatórias se tornarem infectadas.

    Qualquer disseminação da infecção requer a interrupção da corticoterapia tópica e administração da terapia antimicrobiana adequada.

    Úlceras crônicas nas pernas

    Corticosteroides tópicos são por vezes utilizados para tratar a dermatite em torno de úlceras crônicas nas pernas. Não devem ser aplicados diretamente na úlcera, mas sim aplicado na área da dermatite, ao redor da úlcera. No entanto, este uso pode ser associado a uma maior ocorrência de reações de hipersensibilidade local e um aumento do risco de infecção local.

    Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

    Não há estudos sobre o efeito do Valerato de Betametasona sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Um efeito prejudicial sobre estas atividades não é esperado, considerando as reações adversas apresentadas pelo Valerato de Betametasona.

    Gravidez e lactação

    Há dados limitados sobre o uso de Valerato de Betametasona em mulheres grávidas.

    A administração tópica de corticosteroides a animais prenhes pode causar anormalidades ao desenvolvimento do feto.

    A relevância deste achado para os seres humanos não foi estabelecida, no entanto, a administração de Valerato de Betametasona durante a gravidez somente deve ser considerada se o benefício esperado para a mãe superar o risco para o feto. Uma quantidade mínima do medicamento deve ser usada por um período mínimo de tempo.

    Administração subcutânea de Valerato de Betametasona em ratos ou camundongos com doses ≥ 0,1 mg/kg/dia ou em coelhos com doses ≥ 12 mcg/kg/dia durante a gravidez produziu anormalidades fetais, incluindo fenda palatina.

    A utilização segura de corticosteroides tópicos durante a lactação não foi estabelecida.

    Não se sabe se a administração tópica de corticosteroides pode resultar em absorção sistêmica suficiente para produzir quantidades detectáveis no leite materno. A administração de Valerato de Betametasona durante a lactação só deve ser considerada se o benefício esperado para a mãe superar o risco para o bebê.

    Se Valerato de Betametasona for utilizado durante a lactação, não deve ser aplicado nos seios para evitar a ingestão acidental pelos lactentes.

    Categoria C de risco na gravidez.

    Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

    Carcinogênese

    Estudos com animais a longo prazo não apresentaram resultados que permitissem avaliar o potencial carcinogênico do Valerato de Betametasona.

    Genotoxicidade

    Não foram conduzidos estudos específicos para investigar o potencial genotóxico do Valerato de Betametasona.

    Fertilidade

    Não há dados em seres humanos para avaliar o efeito dos corticosteroides tópicos na fertilidade. Além disso, não foi avaliado o efeito do Valerato de Betametasona na fertilidade em animais.

    Loção

    Valerato de Betametasona loção deve ser usado com precaução em pacientes com histórico de hipersensibilidade local a corticosteroides ou a qualquer outro excipiente da formulação. Reações de hipersensibilidade local podem assemelhar-se aos sintomas da doença em tratamento.

    Manifestações de hipercortisolismo (Síndrome de Cushing) e supressão reversível do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) levando à insuficiência glicocorticoide, podem ocorrer em alguns indivíduos como resultado de uma elevação na absorção sistêmica de esteroides tópicos. Se alguma das verificações acima for observada, interrompa o uso da droga gradualmente, reduzindo a frequência de aplicação, ou substituindo por um corticosteroide menos potente. A interrupção abrupta do tratamento pode resultar em insuficiência glicocorticoide.

    Fatores de risco para aumento dos efeitos sistêmicos são:

    • Potência e formulação de esteroide tópico;
    • Duração da exposição;
    • Aplicação em uma área de grande extensão;
    • Uso em áreas oclusivas da pele, por exemplo, em áreas intertriginosas ou sob curativos oclusivos (em recém-nascidos a fralda pode atuar como um curativo oclusivo);
    • Aumento da hidratação do estrato córneo; 
    • Uso em áreas de pele fina, como a face; 
    • Uso em pele lesada ou em outras condições em que a barreira da pele pode estar prejudicada;
    • Em comparação com adultos, crianças e bebês podem absorver proporcionalmente maiores quantidades de corticosteroides tópicos e assim serem mais suscetíveis aos efeitos adversos sistêmicos. Isso ocorre porque as crianças têm uma barreira da pele imatura e uma maior área de superfície em relação ao peso corporal em comparação com adultos.

    Distúrbios visuais

    Distúrbio visual foi reportado por pacientes usando corticosteroides sistêmico e/ou tópico. Se um paciente apresentar visão embaçada ou outras alterações visuais, considere a avaliação de possíveis causas, as quais podem incluir catarata, glaucoma ou corioretinopatia central serosa.

    Crianças

    Em lactentes e crianças menores de 12 anos de idade, a duração do tratamento deve ser limitada à 5 dias e a oclusão não deve ser utilizada; o tratamento a longo prazo com corticosteroide tópico deve ser evitado sempre que possível, já que a supressão adrenal pode ocorrer.

    Risco de infecção com oclusão

    Infecções bacterianas são facilitadas pelo calor e umidade nas dobras da pele ou causadas por curativos oclusivos. Ao usar curativos, a pele deve ser limpa antes de fazer uma nova oclusão.

    Uso em Psoríase

    Corticosteroides tópicos devem ser usados com precaução em pacientes com psoríase, pois rebotes, desenvolvimento de tolerância, risco de psoríase pustulosa generalizada e desenvolvimento de toxicidade local ou sistêmica devido ao comprometimento da função de barreira da pele têm sido reportados em alguns casos. Se usado no tratamento de psoríase é importante que o paciente seja cuidadosamente supervisionado.

    Aplicação na face

    Aplicações prolongadas na face não são desejáveis visto que é uma área mais suscetível a alterações atróficas.

    Aplicação nas pálpebras

    Se aplicado nas pálpebras deve-se ter cuidado para que o produto não entre em contato com os olhos, pois a exposição repetida poderá resultar em catarata e glaucoma.

    Infecção concomitante

    Terapia antimicrobiana apropriada deve ser utilizada sempre que as lesões inflamatórias se tornaram infectadas.

    Qualquer disseminação da infecção requer a interrupção da corticoterapia tópica e administração da terapia antimicrobiana adequada.

    Úlceras crônicas nas pernas

    Corticosteroides tópicos são por vezes utilizados para tratar a dermatite em torno de úlceras crônicas nas pernas. Não devem ser aplicados diretamente na úlcera, mas sim aplicado na área da dermatite, ao redor da úlcera. No entanto, este uso pode ser associado a uma maior ocorrência de reações de hipersensibilidade local e um aumento do risco de infecção local.

    Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

    Não há estudos para investigar o efeito de valerato de betametasona sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Não é esperado que Valerato de Betametasona loção influencie na capacidade de dirigir e operar máquinas, considerando o perfil das reações adversas apresentado por este produto.

    Gravidez e lactação

    Há dados limitados do uso de valerato de betametasona em mulheres grávidas.

    A administração tópica de corticosteroides a animais prenhes pode causar anormalidades no desenvolvimento do feto.

    A relevância deste achado em seres humanos não foi estabelecida , no entanto, a administração de Valerato de Betametasona loção durante a gravidez somente deve ser considerada se o benefício esperado para a mãe superar o risco para o feto. Uma quantidade mínima do medicamento deve ser usada por um período mínimo de tempo.

    A administração subcutânea de valerato de betametasona em ratos ou camundongos em doses ≥ 0,1 mg/Kg/dia), ou coelhos em doses ≥ 12 mcg/Kg/dia durante a gravidez produziu anormalidades fetais, incluindo fenda palatina.

    O uso seguro de corticosteroides tópicos durante o período de lactação ainda não foi estabelecido.

    Não se sabe se a administração tópica de corticosteroides pode resultar em absorção sistêmica suficiente para produzir quantidades detectáveis no leite materno. A administração de Valerato de Betametasona loção durante a lactação só deve ser considerada se o benefício esperado para a mãe superar o risco para o bebê.

    Se Valerato de Betametasona loção for usado durante a lactação, não deve ser aplicado nos seios para evitar a ingestão acidental pelos lactentes.

    Categoria C de risco na gravidez.

    Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

    Carcinogênese

    Estudos com animais a longo prazo não apresentaram resultados que permitissem avaliar o potencial carcinogênico do valerato de betametasona.

    Genotoxicidade

    Não foram conduzidos estudos específicos para investigar o potencial genotóxico do valerato de betametasona.

    Fertilidade

    Não há dados em seres humanos para avaliar o efeito dos corticosteroides tópicos sobre a fertilidade. Além disso, não foi avaliado o efeito de valerato de betametasona na fertilidade em animais.

    Solução tópica

    Valerato de Betametasona capilar deve ser usado com cautela em pacientes com histórico de hipersensibilidade local a corticosteroides ou a qualquer outro excipiente da formulação. Reações de hipersensibilidade local podem assemelhar-se aos sintomas da doença em tratamento.

    Manifestações de hipercortisolismo (Síndrome de Cushing) e supressão reversível do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) levando à insuficiência glicocorticoide, podem ocorrer em alguns indivíduos como resultado de uma elevação na absorção sistêmica de esteroides tópicos. Se alguma das verificações acima for observada, interrompa o uso da droga gradualmente, reduzindo a frequência de aplicação, ou substituindo por um corticosteroide menos potente. A interrupção abrupta do tratamento pode resultar em insuficiência glicocorticoide.

    Fatores de risco para aumento dos efeitos sistêmicos são:

    • Potência e formulação de esteroide tópico. 
    • Duração da exposição.
    • Aplicação em uma área de grande extensão. 
    • Uso em áreas oclusivas da pele, por exemplo, em áreas intertriginosas ou sob curativos oclusivos.
    • Aumento da hidratação do estrato córneo.
    • Uso em áreas de pele fina, como a face.
    • Uso em pele lesada ou em outras condições em que a barreira da pele pode estar prejudicada. 
    • Em comparação com adultos, crianças e bebês podem absorver proporcionalmente maiores quantidades de corticosteroides tópicos e assim serem mais suscetíveis aos efeitos adversos sistêmicos. Isso ocorre porque as crianças têm uma barreira da pele imatura e uma maior área de superfície em relação ao peso corporal em comparação com adultos.

    Distúrbios visuais

    Distúrbio visual foi reportado por pacientes usando corticosteroides sistêmico e/ou tópico. Se um paciente apresentar visão embaçada ou outras alterações visuais, considere a avaliação de possíveis causas, as quais podem incluir catarata, glaucoma ou corioretinopatia central serosa.

    Crianças

    Em lactentes e crianças menores de 12 anos de idade, a duração do tratamento deve ser limitada à 5 dias e a oclusão não deve ser utilizada; a terapia tópica contínua de corticosteroides a longo prazo deve ser evitada sempre que possível, uma vez que a supressão adrenal pode ocorrer.

    Risco de infecção com oclusão

    Infecções bacterianas são facilitadas pelo calor e umidade nas dobras da pele ou causadas por curativos oclusivos. Ao usar curativos, a pele deve ser limpa antes de fazer uma nova oclusão.

    Uso em Psoríase

    Corticosteroides tópicos devem ser usados com precaução em pacientes com psoríase, pois rebotes, desenvolvimento de tolerância, risco de psoríase pustulosa generalizada e desenvolvimento de toxicidade local ou sistêmica devido ao comprometimento da função de barreira da pele têm sido reportados em alguns casos. Se usado no tratamento de psoríase é importante que o paciente seja cuidadosamente supervisionado.

    Evite contato com os olhos

    É necessário cuidado para assegurar que Valerato de Betametasona capilar não entre em contato com os olhos durante a lavagem do couro cabeludo, pois a exposição em excesso pode causar catarata e glaucoma.

    Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

    Não há estudos para investigar o efeito de valerato de betametasona sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Não é esperado que Valerato de Betametasona capilar influencie na capacidade de dirigir e operar máquinas, considerando o perfil das reações adversas apresentado por este produto.

    Gravidez e lactação

    Há dados limitados do uso de valerato de betametasona em mulheres grávidas.

    A administração tópica de corticosteroides a animais prenhes pode causar anormalidades no desenvolvimento do feto.

    A relevância deste achado em seres humanos não foi estabelecida , no entanto, a administração de Valerato de Betametasona capilar durante a gravidez somente deve ser considerada se o benefício esperado para a mãe superar o risco para o feto. Uma quantidade mínima do medicamento deve ser usada por um período mínimo de tempo.

    A administração subcutânea de valerato de betametasona em ratos ou camundongos em doses ≥ 0,1 mg/Kg/dia, ou coelhos em doses ≥ 12 mcg/Kg/dia durante a gravidez produziu anormalidades fetais, incluindo fenda palatina.

    O uso seguro de corticosteroides tópicos durante o período de lactação ainda não foi estabelecido.

    Não se sabe se a administração tópica de corticosteroides pode resultar em absorção sistêmica suficiente para produzir quantidades detectáveis no leite materno. A administração de Valerato de Betametasona capilar durante a lactação só deve ser considerada se o benefício esperado para a mãe superar o risco para o bebê.

    Se Valerato de Betametasona capilar for usado durante a lactação, não deve ser aplicado nos seios para evitar a ingestão acidental pelos lactentes.

    Categoria C de risco na gravidez.

    Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

    Carcinogênese

    Estudos com animais a longo prazo não apresentaram resultados que permitissem avaliar o potencial carcinogênico do valerato de betametasona.

    Genotoxicidade

    Não foram conduzidos estudos específicos para investigar o potencial genotóxico do valerato de betametasona.

    Fertilidade

    Não há dados em seres humanos para avaliar o efeito dos corticosteroides tópicos sobre a fertilidade. Além disso, não foi avaliado o efeito de valerato de betametasona na fertilidade em animais.

    Qual a ação da substância Valerato de Betametasona?

    Resultados de Eficácia

    Pomada

    Através de estudo clínico randomizado, comparativo e duplo-cego que comparou Valerato de Betametasona creme e pomada 0,1%, aplicado duas vezes ao dia durante duas semanas, foi demonstrada a eficácia no tratamento da dermatite de contato alérgica, dermatite irritativa, dermatite atópica e eczema de estase em 23 pacientes com idade de 17-66 anos. 1

    Em um estudo randomizado, simples-cego e comparativo com 32 pacientes, sendo 19 indivíduos do sexo masculino e 13 do sexo feminino e com idade ˃12 anos, Valerato de Betametasona creme 0,1% foi eficaz no tratamento de eczema seco.2

    Referências Bibliográficas

    1. Thormann, J. et al. Dermatologica, 152 Suppl 1:209-214. 1976.
    2. Williamson, DM. J Int Med Res, 15(2): 99-105. 1987

Rua José Pires Neto 151 • sobreloja • Cambuí/Campinas/SP

© 2018 by Listrazza. Parceria com Wix.com